A Cidade de Ceará-Mirim

Localizada a apenas 33km da cidade de Natal, capital do Estado, as terras de Ceará-Mirim chamavam-se Boca da Mata, área roçada de algodão e cereais, que fazia parte do município de Vila Nova de Extremoz do Norte até o século XIX. Essas terras foram concedidas em sesmarias ao português João Fernandes Vieira e incluíam, também, os Vales de Maxaranguape e do Ceará-Mirim. Era a região "Siara" onde habitavam os índios janduís e onde, segundo os historiadores, nasceu o índio Poti, que se destacou na luta contra a invasão holandesa no Rio Grande do Norte.

O nome do município provém do vocábulo "cê - ara - mirim", que possui entre as suas diversas traduções, a de "canta ou fala papagaio pequeno".

Em 16 de julho de 1855, o deputado José Alexandre Siabra de Mello, apresentou um projeto transferindo a sede do município de Vila Nova de Extremoz para o povoado de Boca da Mata, com o nome de Vila de Ceará-Mirim. Essa transferência foi motivada pelas facilidades apresentadas por aquele local, em relação às atividades comerciais que se realizavam com os engenhos instalados no Vale do Ceará-Mirim. Mais tarde, em 30 de julho de 1858, Vila de Extremoz do Norte se transforma no município de Ceará-Mirim.

Destacou-se na economia através dos inúmeros engenhos, que a partir da cana-de-açúcar, produziam mel, açúcar, rapadura e aguardente. Atualmente apenas a Usina S. Francico e o Engenho Mucuripe continuam ativos.

Desenvolvido pela Pastoral da Comunicação - Paróquia de Nossa Senhora da Conceição (2017)

Área Restrita